Análisis
Exposición didáctica de ideas, conjeturas o hipótesis, a partir de unos hechos de actualidad comprobados —no necesariamente del día— que se reflejan en el propio texto. Excluye los juicios de valor y se aproxima más al género de opinión, pero se diferencia de él en que no juzga ni pronostica, sino que sólo formula hipótesis, ofrece explicaciones argumentadas y pone en relación datos dispersos

A Igreja brasileira apoiou o golpe militar de 1964?

A hierarquia católica do Brasil apoiou e abençoou o golpe militar, conta um livro

Muitas vezes escrevei-se sobre a postura de intransigência e de enfrentamento da Igreja brasileira diante dos militares que deram o golpe em 1964. Uma postura muito diferente, por exemplo, que a das Igrejas da Argentina ou do Chile em circunstâncias idênticas. A verdade, contudo, é que a hierarquia católica do Brasil apoiou e abençoou o golpe militar, como conta o livro Os bispos católicos e a ditadura militar brasileira: a visão da espionagem (1971-1980).

A obra, baseada na tese de doutorado do historiador Paulo César Gomes Bezerra, acaba de ser publicada pela editora Multifico, e pode causar polêmica.

Eram os tempos da guerra fria, e os bispos brasileiros compartilhavam com os militares a mesma preocupação de que o país pudesse cair nas mãos dos comunistas, ainda que por motivos diferentes: os militares olhavam o lado político e a Igreja, o religioso, temendo a imposição do ateísmo comunista importado da União Soviética.

O livro apresenta um documento de maio de 1964, um manifesto assinado por 26 bispos da Conferência Episcopal do Brasil no qual os militares eram agradecidos por ter “salvo o país do perigo iminente do comunismo”.

Mais ainda, no mesmo dia do golpe, o monsenhor Paulo Evaristo Arns, que acabaria sendo mais tarde perseguido e ameaçado pelos mesmos militares do golpe, e que se transformaria em um dos heróis da Igreja contra as atrocidades da ditadura, saiu de Petrópolis, perto do Rio, onde vivia, para abençoar a chegada das tropas golpistas do general Mourão Filho.

O livro também revela como os militares espionavam os bispos em todos os seus movimentos. Não confiavam neles, apesar de haverem abençoado o golpe.

Únete ahora a EL PAÍS para seguir toda la actualidad y leer sin límites
Suscríbete aquí

As coisas mudaram só em 1968, quando, já instaurada a ditadura, os militares começaram a torturar, matar e cercear todas as liberdades. Foi então que a mesma Igreja que havia apoiado e abençoado o golpe se voltou contra o regime.

Em maio de 1970, um documento no qual a Igreja denunciava as torturas realizadas pelo Exército criticava ao mesmo tempo as ações de violência atribuídas à esquerda. Nesse grupo encontrava-se a jovem guerrilheira Dilma Rousseff, hoje presidente da República. A ruptura definitiva ocorreu em setembro do mesmo ano, quando os militares chegaram a deter por quatro horas o monsenhor Aloisio Lorscheider, então secretário-geral da Conferência Episcopal e que, junto com Arns, acabaria sendo uma figura importante contra os excessos da ditadura.

A obra de Bezerra recorda que, depois que a Igreja rompeu oficialmente com a ditadura, ainda restaram alguns bispos que pessoalmente continuaram apoiando os militares. Ele conta, por exemplo, o caso do monsenhor Luciano Cabral, arcebispo de Aracaju que chegou a denunciar ao então Núncio Apostólico, Carmine Rocco, a participação do monsenhor Helder Câmara em um ato em Sergipe. Nele, o bispo “defendia a união de estudantes e camponeses para derrubar a ditadura”.

Os bispos acabaram sendo espionados tanto pelos militares como por Roma, através da Nunciatura.

Tradução: Ana Mendoça

Normas

Más información

Archivado En

Recomendaciones EL PAÍS
Recomendaciones EL PAÍS
Recomendaciones EL PAÍS
Logo elpais

Ya no dispones de más artículos gratis este mes

Suscríbete para seguir leyendo

Descubre las promociones disponibles

Suscríbete

Ya tengo una suscripción